sábado, 29 de setembro de 2012

Entrevista com o Emanuel Jr. da Aorta

A entrevista de hoje é com o Emanuel Jr. da banda Aorta. Formada em meados de 2000 no bairro de Afogados, Recife-PE, co-fundadora do movimento Farinha do Rock, junto a outras bandas da cena local, a Aorta está prestes a lançar um novo material. Acompanhe aqui e saiba mais:
Emanuel Jr.- Guitarra e vocais da Aorta
 1-Primeiramente quero que vocês nos contem em que circunstância foi formada a banda Aorta, e em que ano isso aconteceu?
Emanuel Jr.-Bom, o início foi uma longa história ligada à outra banda, mas para encurtar, fui simplesmente expulso da minha antiga banda chamado Sob-Efeito. Certo dia cheguei lá no estúdio para marcar um ensaio para a banda e me deparo com os caras ensaiando e isso foi muito foda pra mim, me lembro ter tido na época uma discussão com o Humberto (Sob-Efeito), hoje muito meu amigo, relativo as músicas que estavam ficando muito pesadas (Hardcore), mas não era motivo para terem agido daquela forma comigo. De agosto de 1999 a janeiro de 2000, fiz alguns rabiscos num papel e deles saíram “Um Quadro de Um País Em Crise”, “O Que Você Não Gosta de Escutar” e “Natal Vermelho”. E foi dessa necessidade de expressão, de uma musicalidade mais rápida e reunião de amigos que surgiu a Aorta, no dia 02 de janeiro de 2000.
Waldemar Neto na bateria
2-A banda gravou em 2010 o primeiro EP Sangue Novo. Por que demoraram tanto pra fazer esse primeiro registro?
Emanuel Jr.-Na verdade, o Sangue Novo E.P. não é o nosso primeiro registro, mas foi um grande marco para a volta definitiva da banda depois de 6 anos parada por motivos pessoais de cada um (trabalho, estudos, família) e um desestímulo que foi iniciado em 2003, em relação a algumas atitudes do nosso primeiro baterista, o Elísio (Mundo Kaya). Deixamos bem claro que não guardamos rancor do mesmo, independente dos estresses, somos muito amigos hoje em dia. Existe uma demo gravada em 2002 chamada “Cansei...”, um material com baixa qualidade, gravada por Daniel Farias (Ugly Boys), num único estúdio que existia no bairro de Afogados naquela época, o Canto do Lixo, que ficava nos fundos da padaria do pai de um amigo nosso, o Geydson (Ugly Boys). Neste registro gravamos de forma bastante precária em apenas 4 canais, sons que nos acompanham até hoje em nossas apresentações, dentre estes: “O Quadro de Um País Em Crise”, “Natal Vermelho”, “O Que Você Não Gosta de Escutar” e o som que dá título a demo, “Cansei...”.
DOWNLOAD - SANGUE NOVO - EP 2010
3-Em 2012 a banda volta com uma nova formação, contando com 2 ex-integrantes da banda Câmbio Negro HC. Como foi a chegada dessa galera, e o que isso acrescentou ao som da Aorta?
Emanuel Jr.-Começamos 2012 como um Power Trio (Emanuel Jr. – Vocal e Guitarra, Eduardo – Baixo e Waldemar Neto – Bateria e Vocais Adicionais), pois precisávamos minimizar os conflitos (falta de comprometimento em geral) que estavam impedindo que a banda evoluísse e para não dependermos da boa vontade de alguns, chegamos à conclusão que só seria interessante deixar na banda pessoas que realmente tivessem o mesmo interesse em comum, e não foi nada fácil expor o ponto de vista da parte interessada para a parte não comprometida. No início de abril, fiquei sabendo que o Ajax (Os Cachorros) havia assumido os vocais do Câmbio Negro HC e por não ter achado interessante a entrada do mesmo na banda (nada contra o Ajax), expus ao Pesado, até porque já tínhamos uma amizade desde que fiquei sabendo que a Câmbio Negro HC estava ensaiando e iria voltar as suas atividades, e o mesmo me poupou de detalhes e disse apenas que o Ajax era muito seu amigo e que seria a melhor opção para a banda naquele momento. Enfim, conversamos muito sobre a cena atual, bandas em várias oportunidades e daí ele me questionou se eu tinha banda, se tinha material, etc.. Mandei links nosso da net para ele e daí ele elogiou bastante e perguntou se teria algum problema em ir um dia ao ensaio nosso. E antes de acontecer do mesmo ir a um ensaio da banda, ele disse em outra oportunidade: - Já falou pra galera sobre o novo vocalista? Eu: - Como assim, ta falando sério? Ele: - Sim. Estou procurando uma banda. Eu não acreditando na situação, falei para os demais integrantes e eles disseram que deveríamos marcar um ensaio para ver se rolava sinergia e tal. Ta aí. De fã a amigo, de amigo à integrante de uma mesma banda, que doideira. Um mês com Pesado no vocal, sentimos a necessidade de mais uma guitarra, convidamos o Adelmario (Veneno), mas por motivos pessoais não pode ficar naquela época na banda e Pesado depois falou de um amigo que havia tocado na Câmbio Negro HC na década de 80 e foi daí que apresentamos o nosso som para Caru um cara muito interessado e dedicado, veio para somar e fazer as coisas acontecerem. A troca de experiência tem sido muito positiva, ambos aprendemos uns com os outros e é essa formação que eu acredito que vai perdurar, a formação mais madura que a banda já teve.
Pesado em estúdio na gravação do novo EP da Aorta
4-Agora a banda está preparando um disco novo. Qual a previsão de lançamento e o que a galera pode esperar desse material?
Emanuel Jr.-Este material estava estacionado desde novembro de 2010. Começamos a gravá-lo e vieram as mudanças, o que fez com que este material ficasse latente por mais de um ano. Só agora em 2012, e com a surpresa da entrada do Pesado no vocal e Caru na guitarra, conseguimos tirar o projeto da gaveta e torná-lo uma realidade. O E.P. “Acorde!” conterá 12 faixas, duas delas têm participação mais que especial de nossa amiga de sempre Luciana Menezes e Davi (Nação Corrompida), e a previsão para lançamento deste trabalho, acredito que só no 1° semestre de 2013, pois estamos querendo fazer um lance bem organizado. O que a galera pode esperar é um material sincero, maduro e com um conteúdo 100% cabeça e responsável.
Capa de divulgação do novo EP já pronta e aguardando lançamento!!!
 5-Quais os temas das letras e quem as escrevem?
Emanuel Jr.-Eu escrevo a grande maioria delas. Em algumas tenho parcerias como: “Cansei...” que foi escrita em março de 1998, juntamente com Thaísa Lima, quando éramos apenas 8ª série, e nessa época eu estava descobrindo e me informando sobre o movimento punk, a “Desamparo/Desespero”, que foi feita em 2003, em parceria com o Shurato (Nômades), “Vida Severina” que foi escrita em 2001, juntamente com Ismael José, amigo das antigas e parcerias com o poeta marginal Rogério Vícios F... (Movimento Desabafa Pina/Movimento Farinha do Rock), quando gravamos/musicamos duas poesias cedidas por ele, “Auto-Estima” e “Blackout”. Minha escola musical foram os Ramones, Sex Pistols, The Clash, Devotos, Cólera, Inocentes, Olho Seco, Ratos de Porão. Em 1999, conheci o som de bandas como Circle Jerks, The Stooges, Buzzcocks, Câmbio Negro HC, Ataque Suicida, Elefante Verde, Nação Corrompida, Estado Decadente e Mukeka di Rato que com o tempo foram me influenciando também. Em nossos temas abordamos um contexto social, aquilo que nos cerca, nos incomodam, as guerras e as suas conseqüências, o descaso com os seres humanos, o holocausto animal, a politicagem no nosso país, o auto-estima dos seres humanos, a persistência e homenagens a aquilo que achamos que há méritos em receber.
Ricardo Caru e Eduardo em estúdio.
6-E shows, a banda tem feito?
Emanuel Jr.-Fizemos umas 3 apresentações nesse ano de 2012, e de abril para cá ficamos apenas produzindo em estúdio para que os novos integrantes se adaptassem ao ritmo da banda e nos dedicando a conclusão do E.P. “Acorde!” Mas já tem mais umas 3 apresentações ainda este ano que em breve estaremos divulgando na nossa página da web e divulgadas pelos demais canais e redes de relacionamentos.

7-Tenho percebido que a cena de recife tem uma movimentação muito forte, já entrevistei várias bandas que reforçaram isso. Mas na opinião de vocês, o que a cena tem de bom, e o que tem que melhorar?
Emanuel Jr.-A cena de Recife realmente é muito forte, as pessoas estão buscando se interessar mais por ela. A amizade entre bandas e seus integrantes de outras cidades próximas é um ponto positivo, a força de vontade de cada um em querer fazer o lance acontecer em seus bairros, descentralizando e mostrando suas identidades é outro ponto positivo. Essas coisas é que fazem com que sempre haja vontade em está participando junto aos coletivos, grupos e nichos que se organizam em prol da cena com suas reuniões mensais e externalização de idéias e ações. O público ainda precisa se conscientizar de que, para que se mantenha viva essa cena que muitos se esforçam para está movimentando, precisa-se contribuir indo aos shows e colaborar com os valores que são cobrados para que os eventos, gigs, venham a acontecer com mais freqüência.
Video "Aorta - Mundo Pre Histórico"

8-Você faz parte do Movimento Farinha do Rock. O que essa movimentação tem proporcionado para a cena local? Qual a principal linha de ação desse movimento?
Emanuel Jr.- No começo, antes de darmos um nome a toda àquela movimentação de bandas locais no bairro de Afogados, a coisa acontecia nas proximidades do Largo da Paz no próprio bairro, atrás de uma igreja católica, onde eram realizados ensaios abertos ao público. Depois de algumas conversas e trocas de idéias, no mês de março o lance passou a acontecer em frente a uma padaria do próprio bairro, próximo à estação de metrô, na Estrada dos Remédios. No primeiro dia, em 10 de março de 2002, um domingo de muita chuva, bandas como Ugly Boys, BxHxC (Bandos de Hardcore), Nuvem Raio e Hemp Armageddon ali se apresentavam embaixo de uma lona de caminhão que o nosso amigo Israel (Hemp Armageddon) desenrolou para não acabar com a tarde planejada. Tínhamos a regalia da energia e do espaço disponibilizado pelo Sr. Menezes (dono do estabelecimento) pai do Geydson (Ugly Boys) e daquele dia em diante todos os domingos passariam a ser sagrados e através da divulgação boca-a-boca, vimos aquilo tudo tomar uma dimensão assustadora. Logo se espalhou a notícia de que ali havia um movimento de divulgação de bandas e logo veio à parceria com outros bairros, cidades e estados. Todos os domingos 5 a 6 bandas de graça tocando para a alegria do bairro e de todos que ali estavam, muitos vindo de longe. Resolvemos fazer uma reunião depois do segundo domingo com as pessoas envolvidas para documentar tudo aquilo que estava acontecendo e no que poderia ser melhorado. Fazíamos pautas, delegávamos algumas atividades dentre aqueles que ali estavam interessados em fazer aquilo acontecerem cada vez mais, dentre estes: Geydson, Daniel (Ugly Boys), Gordo, Shurato (Nômades), Nano (El Ramiros), Emanuel Jr. (Aorta), Rico (BxHxCx) e o poeta marginal Rogério Vícios F... (Desabafa Pina). Era algo muito prazeroso em fazer em menos de um mês a agenda de marcação de bandas que teriam interesse em mostrar seu trabalho estava cheia, pelo menos uns 3 meses a frente. O Farinha do Rock foi palco para muitas bandas na época, entre elas: Nômades, Aorta, Ugly Boys, Estado Decadente, El Ramiros, Los Locos (Ex-Hemp Armageddon), BxHxCx, Elefante Verde, Ploidriver, Grito Civil, Revolta Civil, Black Dreams, Porra, Tumor no Cú (PB), Bastardos Infames, Mundo Kaya, Nuvem Raio, Nebulosa, Phrasis, Abrôlho, Ataque Suicida, Emergência, Sofia em Chamas, Joãozinho Podre, Persistentes, Matalanamão, Os Medonhos, Rabujos, Nação Corrompida, entre milhares de bandas. O bom dessa época é que havia respeito entre estilos diferentes do rock clássico, passando pelo psicodélico, alternativo, hard rock, heavy metal, trash metal, punk e hardcore. Nessa pisada passaram-se dois anos seguidos, todos os domingos, e depois que Sr. Menezes passou o ponto (espaço físico) onde acontecia todo esse cenário, ficamos órfãos de tudo aquilo que havíamos construído e só depois de 10 anos em 17 de março deste ano, tive a idéia de instigar e voltar a fazer o Farinha do Rock novamente, o que tem sido da mesma forma muito prazeroso fazer, apesar de não ser mais free (entrada franca), a proposta é a mesma, a sinceridade é a mesma e estamos a cada dois meses dentro de nossas condições conseguindo tocar essa lenda para frente. Underground é isso. Meter a cara e fazer. Viva o Movimento Farinha do Rock.
Tocando nos 10 Anos do Movimento Farinha do Rock ainda como trio.
9-Recentemente a banda participou da coletânea "Atitude Consciente", produzida pelo Rose, Baixista da Cama de Jornal e que reúne bandas de punk hc do Nordeste. Qual a importância de materiais como esse, e também o que vocês acham da internet como canal livre de divulgação?
Emanuel Jr.-A divulgação em coletâneas é algo sempre válido e principalmente da forma que tem sido feita. Isso só faz com que as bandas envolvidas em determinados trabalhos, possam ampliar suas redes de relacionamentos com outras bandas de outros estados e buscar essa parceria na divulgação de seus trabalhos sempre. A internet tem sido um canal positivo e consciente, pois muitos estão preocupados com a questão da poluição em nosso planeta, inclusive nós. Os cartazes e panfletos que são meios de divulgação, nem sempre acabam tendo um destino correto depois de utilizados. Como assim? Você faz panfletagens divulgando determinados shows, mas não sabe se o destino daquele papel vai ser lixo ou rua, ou ainda, aquele cartaz que você colou em determinados lugares, em pouco tempo será arrancado, mas será que o destino desses pedaços de papéis arrancados será o lixo mesmo ou mais uma vez as ruas? Então eis a grande importância deste canal divulgador. A consciência tem que começar de você, por você.
Download da Coletânea Atitude Consciente
10-Valeu rapaziada! O espaço é livre para vocês falarem sobre o que quiserem divulgar links, contatos...
Emanuel Jr.-A Aorta agradece a oportunidade, o convite do TOSCO TODO, e esperamos fortalecer e expandir essa parceria. Em janeiro espero trocar uma idéia melhor e tomar umas cervas quando a banda Cama de Jornal estiver por aqui. Abraço Nem, Rose e toda a galera que está lendo esta entrevista.
Site oficial Aorta: http://aortaoficial.wix.com/
Pré-Mix do E.P. “Acorde! ..ou morra de sono.”: http://soundcloud.com/aortaoficial/
Aorta 2012: Pesado, Eduardo, Waldemar, Ricardo e Emanuel.

2 comentários:

Glieldson Alves disse...

Muito Massa a Entrevista... Cada dia gosto mais desse blog... Grande Contribuição... Tem documentado o Underground como ninguém!!! Massa Demais saber que o Pesado está de volta com uma galera também experiente... Fiquei curioso/ansioso para sacar este som... Valeu demais!!!

Aorta Oficial disse...

Massa, Guil, vamos estar tocando dia 03/11 na Estação do Reggae em mais uma edição do Farinha do Rock. Abraço!